Portuguese English Spanish

O Ponto e Vírgula contou com a participação das talentosas Ana Gandinho e Nilza Fernandes, alunas do 12.º ano, que escrevam um bonito artigo sobre a vinda no "nosso Gil" ao Colégio ACR de Fornelos.

«Vocês começam por ter uma chave simplesmente plana, sem fendas, e à medida que vão fazendo o vosso progresso no secundário, a chave está a ser moldada à vossa própria maneira»
Estudar nem sempre é fácil para nós alunos, ora porque está frio, ora porque está calor, qualquer desculpa serve para nos perdermos nos nossos pensamentos ou escolhermos fazer uma outra atividade.

Como tal, a fim de nos elucidar sobre métodos de estudo corretos e falar um pouco sobre a universidade, tivemos no colégio uma palestra com o ex-aluno Gilberto Cunha (Gil). No dia 25 de Janeiro, foram abordados assuntos que a todos preocupam, desde o nosso papel no ensino secundário até à maneira correta para escolhermos o nosso caminho universitário e, consequentemente, o nosso futuro, passando pelo medo de todos nós – os exames nacionais. Falámos também sobre a motivação, e como ela é, passando a citar, "uma treta", visto termos de ser nós próprios a criá-la e não esperar que a mesma "caia do céu", pois certamente assim nunca a encontraríamos.
Através de uma metáfora muito bem construída, o Gil explicou-nos o quanto o ensino secundário é fundamental para o nosso futuro, pois não só nos dá as bases necessárias para mais tarde a elas recorrermos, como também, através dos tão odiados testes, nos permite aceder ao ensino superior, consoante a nossa média. Consideremos então a frase do mesmo: “Vocês começam por ter uma chave simplesmente plana, sem fendas, e à medida que vão fazendo o vosso progresso no secundário, a chave está a ser moldada à vossa própria maneira”. O universitário deixou assim claro, que quanto maior é o nosso esforço para alcançar as notas pretendidas, maior será o leque de portas (cursos) a que poderemos aceder. Pelo contrário, se não dermos nada de nós, a chave não se vai moldar na forma que desejávamos e a porta apresentar-se-á trancada.
Certos conselhos como “Tentem ter a melhor média que conseguirem e informem-se”, puderam ser ouvidos pelas quatro turmas do secundário presentes no auditório, estando sempre existente um especial cuidado em contrabalançar os temas diversão e responsabilidade. Desta forma, os comportamentos a ter e a importância das prioridades foram, numa linguagem simples e acertada, realçados, de modo a ajudar todos os presentes na palestra, havendo intervenções de professores e alunos, que se mostraram interessados durante a sua duração. A tão assustadora hipótese de não acertar na escolha do curso foi também referida pelo nosso ex-colega, situação a qual o mesmo vivenciou, ajudando-nos a compreender que nada está perdido e que muitos são os que passam pelo mesmo, contando que "quando a chave está bem moldada, qualquer porta é aberta".
Sendo assim, não desesperem! Não têm que, e como muito bem disse o Gil, ficar sentados a estudar horas e horas sem parar, “o estudo deve ser contínuo” e isso não significa mais de 30 minutos por dia. Devem saber aproveitar o tempo com os amigos e divertirem-se, o que é possível com um horário bem definido, sem nunca esquecer o objetivo principal: abrir a porta correta.

 A chave do Gil

Ana Grandinho e Nilza Fernandes, 12ºAno

Ir para topo